© 2018 por O Camafeu. As peças aqui apresentadas refletem uma parcela do acervo para locação. Para  conhecer todas as nossas disponibilidades, pedimos a gentileza de entrar em contato com nossa equipe. Em nosso blog, com exceção da categoria Real Life, todas as imagens já se encontram em domínio público.

March 27, 2018

February 19, 2018

February 16, 2018

January 28, 2018

January 24, 2018

Please reload

Posts Recentes

Vitrines com poder de atração

February 8, 2018

A vitrine não se limita apenas à função de expor produtos. Ajuda também a construir a comunicação visual e a identidade de uma marca. O sociólogo e filósofo do século XX, Jean Baudrillard, escreveu: "Embalagem, janela ou muro, o vidro encontra uma transparência sem transição: vemos, mas não podemos tocar. A comunicação é universal e abstrata. Uma vitrine, é encantadora e frustrante, mas é também informação, que é a própria estratégia da publicidade."

 

 

A exposição de mercadorias tem origem na Mesopotâmia e no Egito. Mas foi com os árabes que a exibição das mercadorias vem a ser mais cuidadosa e elaborada. Na Europa, a tradição surge com as vitrines seculares, razão pela qual se diz que o berço do vitrinismo é europeu.

 

 

Modernamente, com a milionária indústria de marketing americana, as vitrines finalmente ganharam grande importância, uma vez que exercem forte influência nas decisões de compra.

 

 

Muitas das marcas mais reconhecidas buscam como atributo, a perpetuidade. Por esse motivo,  optam por incluir elementos vintage em sua estratégia de comunicação visual. Nesse sentido, a vitrine se torna fundamental na elaboração de um modelo robusto e bem estruturado de merchandising.

 

 

Biombos, molduras, espelhos, sofás, lustres, máquinas de costura... Há diversos elementos que visam reforçar a percepção de que ali, há uma marca atemporal sendo representada. Itens vintage, ou seja, originalmente antigos, são extremamente poderosos quando o objetivo é captar a atenção de um público que prioriza a solidez do estilo.

 

 

 

Harrods

 

A Harrods foi estabelecida em 1834, antes do reinado da Rainha Vitória. É uma das mais famosas lojas de departamentos do mundo, sendo a maior loja da capital inglesa.

 

 

A Harrods não utiliza elementos vintage apenas. A produção cenográfica por inteiro mantém o viés de época, estabelecendo uma releitura atualizada do aspecto estético. Dessa forma, a Harrods proporciona uma experiência rica e repleta de detalhes aos olhos daqueles que vislumbram suas vitrines.

 

 

 

Chanel

 

No ano de 1909, Gabrielle Chanel abriu uma loja no piso térreo do apartamento Balsan em Paris. Este é o marco inicial do que viria a se tornar um dos maiores impérios da moda no mundo. Suas vitrines eventualmente apresentam mobílias antigas, como símbolo de elegância através dos tempos.

 

 

 

Louis Vuitton

 

O fundador da marca, Louis Vuitton, criou sua oficina em 1854 em Paris, e em 1885, a grife abriu sua primeira loja em Londres – a primeira fora de França. A principal loja da marca é a Louis Vuitton Champs-Élysées, instalada em um prédio da década de 1930.

 

 

Roldanas industriais antigas trouxeram leveza e equilíbrio à composição da vitrine da Louis Vuitton. Uma girafa empalhada chamou a atenção noutra vitrine da marca, ressaltando a beleza e a classe desse ícone centenário.

 

 

 

Miu Miu

 

A Miu Miu, criada em 1992 pela marca de moda italiana Prada, é voltada para um público mais jovem. O grande desafio, nesse caso, foi conquistar um público que se mantém atrelado à moda, sem com isso abrir mão do estilo.

 

 

Uma solução foi vincular itens vintage à estratégia de merchandising. Vitrines com belíssimos backdrops na forma de biombos, servindo de fundo para um cenário composto por móveis de época, ressaltaram as características almejadas pela marca.

 

 

 

Dolce & Gabbana

 

A primeira loja Dolce & Gabbana foi aberta nos Estados Unidos em 1985, na cidade de Houston. Suas vitrines costumam trazer fortes elementos do passado, de forma a criar a ideia de atemporalidade.

 

 

Parece que não há limite nas vitrines da Dolce & Gabbana. Móveis, quadros, biombos, mesas de jantar, inúmeros itens vintage são utilizados. Mesmo uma única cadeira pode proporcionar o efeito desejado.

 

 

 

Lanvin

 

Jeanne-Marie Lanvin foi uma estilista francesa. A empresa de moda que leva seu sobrenome foi fundada em 1909 e é uma grife conhecida internacionalmente.  A utilização de molduras e espelhos reforçou a identidade da Lanvin, ao representar o destaque e a exclusividade proporcionados pela marca.

 

 

 

Gucci

 

Gucci é uma grife de origem italiana, fundada por Guccio Gucci em Florença, em 1921. Em vitrines recentes, a marca apostou forte nas cadeiras, mantendo uma pegada vintage com uma proposta atualizada.

 

 

 

Hermès

 

Hermès é uma empresa francesa fundada em 1837 por Thierry Hermès. Ao longo do tempo passou a produzir diversos produtos de luxo, atendendo os nobres europeus da época. A marca tem por hábito usar diversos itens que remetem ao vintage, como biombos, mobiliários e até ossadas legítimas.

 

 

 

Ralph Lauren

 

Ralph Lauren é um desenhista de roupas norte-americano judeu cujo estilo abrange desde roupas clássicas até motivos nativos norte-americanos. A década de 1970, deu início a uma avalanche da grife Ralph Lauren, que passou a existir ao lado da marca Polo. Talvez seja, atualmente, a marca que mais utiliza itens vintage em suas vitrines e outros pontos de merchandising.